Respira

"Iceman", foi o título do livro que me chamou a atenção na papelaria do aeroporto, tinha tempo para ler, e decidi levar. O prefácio falava de Wim Hof, um homem que está na historia do Guinness com 26 recordes mundiais, o principal: conseguir ficar 1 hora e 52 minutos, imerso em gelo.

  Já tinha lido notícias sobre ele, visto vídeos na internet mas a verdade é que, nunca tinha pensado muito sobre Wim Hof... achava que talvez fosse mais uma pessoa, com um talento misterioso, e com um corpo com funcionalidades diferentes.

Abri o livro, e comecei a ler sobre estudos do Instituto de Feinstein, em Nova Iorque, que demonstram que, ele consegue controlar o ritmo cardíaco e a temperatura do corpo, ou seja, o sistema nervoso autónomo. Muitas vezes na área da saúde aprendemos que não podemos influenciar o nosso sistema imunitário nem o sistema nervoso autónomo, no entanto, Wim Hof vem para nos mostrar que afinal não é bem assim.

Através do método que desenvolveu, ensina aos seus alunos a conexão entre a mente, o corpo e a alma, de forma a estar em equilíbrio e a reajustar as suas funções, de acordo com a nossa intenção. Para mostrar que não era apenas ele que conseguia a proeza de estar exposto a baixas temperaturas e a manter o seu sistema imunitária forte, decidiu ir com os seus alunos subir o cume do Kilimanjaro.

   Este grupo de 26 pessoas, tinham de subir ao cume de 5895 metros em 48 horas. Ninguém acreditou que fosse possível, alguns dos elementos do grupo sofriam de doenças como esclerose múltipla, doenças de Crohn e cancro, para além de ninguém do grupo ter experiência em Alpinismo.  Como se não bastasse, Wim Hof pediu a todos para o fazerem de tronco nu e calções.

   O segredo seria estar completamente focado na respiração, inspirar e expirar profundamente, durante a noite acordavam para fazer exercícios de espiração, para oxigenar o cérebro e manter a temperatura corporal. Do grupo de 26 pessoas, 24 conseguiram chegar ao pico em 48horas, onde a temperatura era de -15ºC.

Os exercícios de Wim Hof têm muita influência de uma pratica budista, denominada meditação Tummo, também conhecida como a meditação do fogo interior. Esta prática, tem como base combinar exercícios de respiração e visualização. Ao combinarmos estas duas bases, a nossa mente começa a desenvolver um estado de atenção plena do momento. Neste caso são utilizadas, visualizações de fogo para aumentar o fogo interior e a energia a expandir pelo nosso corpo.

A universidade nacional de Singapura publicou no ano de no Jornal Plos One, em 2013, um estudo onde fala sobre as freiras que vivem em mosteiros no Tibete e que praticam todos os dias este tipo de meditação, conseguem aumentar o calor corporal num ambiente de -25C para 38,3.

Estudos recentes mostram-nos também que, ao praticarmos meditação e controlo da respiração, aumentamos a actividades mitocondrial das células cerebrais, libertando assim mais químicos nas glândulas pituitária e pineal. A glândula pineal era considerada pelo grande filósofo Descartes o elo entre o corpo e a alma. No método MWH (método Wim Hof), a glândula pineal recebe mais oxigênio, equilibra os níveis de produção de melatonina, ajudando assim a equilibrar todo o nosso sistema nervoso. A glândula pineal é também descrita no hinduísmo, como a mãe do terceiro olho, receptora e transmissora da energia vital, ligada ao chakra do terceiro olho e ao chakra da coroa.


Alguns pontos que Koen de Jong, autor do livro "Iceman" salienta no livro.

- Muitas pessoas respiram demasiado depressa e mais profundamente do que o necessário;

-Uma frequência respiratória irregular era relacionada com vários problemas de saúde;

- Os exercícios de respiração afetam a atividade cerebral;

-Há exercícios que podemos usar para relaxar;

- O MWH utiliza a respiração para aceder à glândula pineal;

- O oxigênio ativa a expulsão de substâncias nocivas;

- O dioxido de carbono abre os vasos sanguíneos.

Respirar, reajustar, sentir... Apenas estar.

Deixo-vos com este pequeno vídeo, Breathe de Wim Holf.



Com Amor,

Kate

17 visualizações0 comentário